DR. MÁRIO MATTIACCI POSSUI FORMAÇÃO E TREINAMENTO EM:

- Diagnostico por Imagem em Oncologia
-Diagnóstico em Oncologia Veterinária
-Princípios de Oncologia e Biologia Tumoral
-Quimioterapia
-Oncologia Dermatológica
-Neoplasias de Cabeça e Pescoço
-Tumores do Sistema Endócrino
-Neoplasias Hematopoiéticas
-Cirurgia Oncológica e Técnicas Reparadoras/Reconstrutivas
-Tumores Torácicos e Abdominais
-Neoplasia Mamária e do Aparelho Reprodutor Masculino e Feminino

 

 

ONDE ATUAMOS COM OS QUIMIOTERAPICOS.

TUMORES PARA CIRURGIAS ONCOLOGICAS E RECONSTRUTIVAS QUE DEVEM SER FEITAS POR CIRURGIÃO ONCOLÓGICO.

IMAGENS DE TUMORES DE MAMA EM CADELAS PARA IDENTIFICAÇÃO E AÇÃO DO PROPRIETÁRIO.

CÃES COM LINFOMA. LOCALIZAÇÃO DOS LINFONODOS QUE PODEM ESTAR AUMENTADOS DE TAMANHO.

MASTOCITOMAS - IMAGENS PARA DETECÇÃO NO SEU CÃO E LEVAR PARA UM ONCOLOGISTA.


ABAIXO UM POUCO SOBRE ONCOLOGIA COM A PARTICIPAÇÃO DE COLEGAS.

NA NOSSA CONSULTA VOCÊ PODERA TIRAR MAIS DUVIDAS. FAZEMOS AS SESSÕES DE QUIMIOTERAPIA ONDE VOCÊ ACOMPANHA O SEU ANIMAL.

PARA ISTO, NECESSITAREMOS FAZER TODOS OS EXAMES COMO HEMOGRAMA COMPLETO, GLICEMIA, PERFIL HEPÁTICO, RENAL, ULTRASSONOGRAFIA E ELETRO OU ECOGRAFIA.

CITOLOGIA, BIÓPSIA PARA HISTOPATOLOGICO E HIMUNO-HISTOQUÍMICA SÃO EXAMES ONDE DESCOBRIREMOS QUEM É E QUE TIPO DE AGRESSIVIDADE TEM O TECIDO NEOPLASICO.

A SAÚDE BUCAL É IMPORTANTE ESTAR EM DIA, POIS É UMA PORTA DE ENTRADA PARA BACTÉRIAS.

CASO O ANIMAL POSSUA ALGUMA INSUFICIÊNCIA COMO CARDÍACA OU RENAL, TUDO SERÁ AJUSTADO E OS MELHORES PROTOCOLOS UTILIZADOS PARA O SEU ANIMAL.

Noções gerais sobre tumores

Nossos animais, assim como nós, não estão livres de serem acometidos por tumores. Eles podem ser benignos ou malignos, e podem afetar vários órgãos do corpo.
É importante que o proprietário observe bem seu animal de estimação, para notar o aparecimento de qualquer alteração. Essas alterações podem ser externas e bem evidentes, como tumores de pele ou tumores das glândulas mamárias, mas podem ser internas e mais difíceis de serem observadas, como neoplasias em fígado e baço, entre outros órgãos.
Ocorrência bastante comum na clínica de pequenos animais é o aparecimento de tumores de mama em cadelas (principalmente idosas e que nunca deram cria). Eles podem ser benignos ou malignos. Se malignos, pode ocorrer a metástase (focos da neoplasia em outras partes do organismo), que pode causar sérios danos à paciente. Uma das localizações mais comuns das metástases destas neoplasias são os pulmões.
Tumores de pele são bastante frequentes na clínica. O aparecimento de alguma lesão "estranha" no pelame de seu cão deve ser comunicado ao veterinário, pois alguns tumores são malignos e devem ser retirados sem demora.
Fique de olho em sintomas como evidente perda de peso sem causa definida, pêlos opacos e que caem facilmente, apatia, dificuldade respiratória... São sintomas genéricos, mas podem estar ligados à presença de neoplasia interna. Nestes casos, só o médico veterinário poderá diagnosticar a presença da doença através da história e exames clínicos, associados à realização de exames laboratoriais (como análises clínicas, raio-X, exame ultra-sonográfico, etc..)


Muitos tumores, mesmo sendo malignos, se diagnosticados a tempo podem ser tratados e/ou retirados, e o animal pode voltar a ter uma vida normal.


Linfoma (ou linfossarcoma)


O linfoma é uma doença de caráter maligno que acomete os linfonodos (gânglios), e se estende para outros órgãos como baço, fígado, pulmões e rins. Animais a partir de 7 anos de idade são os mais afetados. A forma mais comum do linfoma se inicia por um aumento dos gânglios, principalmente aqueles localizados abaixo da mandíbula.
Perda de peso e diminuição do apetite também podem ser notados. Com a progressão da doença, todos os outros gânglios, internos ou periféricos, são afetados e ficam bastante aumentados, podendo causar incômodo para o animal. Outras formas da doença, menos comuns, aparecem com sinais digestivos (vômito e diarréia), respiratórios (quando há metástase pulmonar) ou cutâneos.
O linfoma é um tumor maligno, mas pode ser tratado visando o prolongamento da vida do animal. Não existe cura. O diagnóstico é feito através do exame clínico, análises dos gânglios (biópsia ou citologia por aspiração), ultra-sonografia, raio-X e exames laboratoriais.


O tratamento usado é a quimioterapia e a radioterapia, mas esta última ainda não está disponível no Brasil para uso em animais. A associação de várias drogas irá promover, em muitos casos, a diminuição dos gânglios e melhora no estado geral do animal. Porém, todos esses medicamentos, além de matar as células do tumor, atingem outras células que se proliferam rapidamente como as células sanguíneas e de defesa (glóbulos brancos). Com isso, o animal poderá ter anemia e baixíssima resistência durante o tratamento com quimioterapia. Por esse motivo, o animal que está fazendo quimioterapia deve ser monitorado com exames de sangue frequentes, o que torna o tratamento caro. As drogas também podem causar efeitos colaterais como diarréias e vômitos. A expectativa de vida de um animal com linfoma é muito variável.


Se não for tratado, o cão não resistirá mais do que 6 ou 8 semanas. Com a quimioterapia, o animal poderá ter uma sobrevida bem mais longa, variando de 2 meses até 2 anos. Apesar de todo o tratamento, com o passar do tempo o tumor irá se tornar resistente às drogas, o cão voltará a ter os sintomas e irá a óbito em decorrência da doença. Infelizmente, não há prevenção para o linfoma.
Devemos tratar o animal até o momento em que a doença ou o próprio tratamento cause danos ao organismo incompatíveis com a vida e que levem o cão ao sofrimento. Só nesse momento o sacrifício é indicado.


Quais são os tipos de câncer mais comuns em cães?
Os cânceres, também conhecidos como neoplasias na veterinária, são mais comuns em fêmeas do que em machos, e os mais comuns são os de pele (carcinoma epidermoide), câncer de mama, câncer testicular. Além, é claro, dos cânceres internos em vários órgãos, como útero, ovários, baço, fígado e pulmões.

É possível prevenir o câncer canino?
Não há formas de prevenir o câncer canino, pois é uma predisposição genética, mas no caso de tumores do aparelho reprodutor, sim, é possível prevenir se realizada a castração antes do primeiro cio nas fêmeas ou antes da maturidade sexual nos machos.

Fêmeas que tiveram filhotes durante a vida têm menos chance de desenvolverem câncer?
O fato de ter ou não cria não influencia no aparecimento dos cânceres. Isso é um mito que vem de estudos na medicina humana, na qual mulheres com um filho ou mais têm menos chances de ter cânceres.

É mais fácil o cão ter câncer conforme ele for ficando mais idoso? O risco de desenvolver câncer tem algo a ver com idade, ou há cães filhotes que podem desenvolver a doença?
Com certeza a idade avançada favorece o aparecimento de cânceres, principalmente quando já se tem a predisposição genética para o problema.

Há alguma raça que tenha mais frequência de câncer?
Todas as raças estão susceptíveis ao problema, não tendo tanta predisposição racial, mas claro que alguns fatores físicos e anatômicos favorecem o problema, como uma pelagem clara pode ser mais susceptível ao câncer de pele.

Quais são os sinais de um câncer?
É muito difícil de identificar um câncer em fase inicial, por isso é recomendado levar o animalzinho periodicamente ao veterinário, que esse, sim, está habituado a constatar anormalidades e iniciar o processo de tratamento o quanto antes, evitando assim consequências graves que o problema possa trazer.

Como o câncer é diagnosticado?
O diagnóstico principal é baseado em exames laboratoriais, histopatológicos e punções e biopsias dos cânceres. Passando, claro, primeiro pelo diagnóstico clínico geral para solicitação de tais exames.

Como prevenir o câncer de pele em cães? Existem protetores solares específicos? Como deve ser a utilização?
Já existem no mercado alguns protetores solares específicos para cães, mas os custos ainda são muito altos. Diante disso, temos a opção de utilizar protetores solares humanos mesmo, passando principalmente na barriga e no focinho do animal sempre que ele for para área desprotegida e nos horários de maior incidência solar.

Como é feito o tratamento do câncer?
O tratamento é dividido em três partes: terapêutica, curativa e paliativa. Grande parte dos tumores tem uma solução cirúrgica que é a mais segura e eficaz; temos também para alguns casos a utilização da quimioterapia, que tem uma resposta variando de animal para animal, além do tratamento paliativo, que contorna os sintomas dos tumores, como inflamação, dor.

No caso de câncer no sangue, o cachorro faz quimioterapia, como os humanos?

Como é o tratamento?
Nos cães também se utiliza a quimioterapia, mas em doses mais baixas e menos agressivas do que em humanos, pois na veterinária o intuito é de trazer qualidade de vida ao animal, e não buscar a cura por completo! Hoje em dia se consegue, sim, grandes resultados nos tratamentos dos cães com a quimioterapia e também com as cirurgias. Basta conseguir diagnosticar o problema o quanto antes possível.


Já obtive muitos resultados positivos com a quimioterapia e a remoção cirúrgica de tumores, e acredito que hoje a eutanásia – que era realizada quando se acreditava que o câncer era uma doença sem cura – esteja distante deste quadro, sendo somente praticada em casos extremos que chamamos de terminais, quando há presença de metástase do tumor para órgãos fundamentais do animal, como é o caso do pulmão.


Tratamento de câncer em animais


Cães e gatos também podem ter câncer?
Câncer é um termo que define os tumores malignos. Os cães e gatos estão também propensos a desenvolver este tipo de patologia. Nós, médicos veterinários, estamos constatando que com o passar dos anos a casuística de tumores em geral tem aumentado, isto porque a expectativa de vida das espécies de companhia também tem aumentado.


Quais os tipos de cânceres mais comuns nessas espécies?
Dentre todos os tipos de cânceres podemos destacar os carcinomas cutâneos (tumores malignos de pele), comuns tanto nos cães como nos gatos, principalmente nos felinos despigmentados, isto é, animais que não possuem pigmentação protetora à incidência solar, sendo as áreas sem pêlos da face as mais vulneráveis.
Os sarcomas (tumores malignos originados do tecido muscular, adiposo e ósseo) também apresentam uma incidência relativamente alta, porém, em nossa casuística brasileira, são mais vistos em cães.


Os tumores do tecido hematopoiético, assim como os linfomas e leucemias, também acometem tanto cães como gatos, principalmente gatos infectados pelo vírus da leucemia felina (FeLV).


Finalmente, os tumores do sistema nervoso são menos frequentes.


Há tratamento para o câncer em animais ou o sacrifício é a única alternativa?
O tratamento dos cânceres pode ser inicialmente dividido em terapêutica curativa e paliativa. Os métodos da terapêutica curativa são a cirurgia, a quimioterapia e a radioterapia.
O tratamento paliativo diz respeito a tratar os sintomas e ou disfunções da patologia base (ex: alívio de dor, correção de alterações metabólicas, remoção de obstruções, etc). O fato de um paciente ser portador de um tumor não passível de cura não, necessariamente, indica que este animal deva ser submetido à eutanásia, desde que o mesmo apresente boa qualidade de vida.


A cirurgia para remoção de um tumor maligno (câncer) pode acabar definitivamente com a doença?
A cirurgia é o método de tratamento que oferece os melhores resultados de cura (exceto nos casos de tumores hematopoiéticos), porém a técnica cirúrgica deve compreender a remoção de margens de segurança (remoção de tecido sadio periférico ao tumor) e, se necessário, exerese dos linfonodos regionais que drenam a área. Infelizmente muitas cirurgias são mutilantes, pois o resultado estético não é o mais importante.


Em que casos usamos a quimioterapia?
A quimioterapia é o tratamento de eleição para os linfomas e leucemias. Também utilizamos a quimioterapia como tratamento adjuvante (auxiliar a outra modalidade terapêutica, principalmente à cirurgia) para os tumores com potencial de metástase, por exemplo: osteossarcoma, hemangiossarcoma, melanoma, etc.


Como é feita a quimioterapia em animais?
Os quimioterápicos são, na sua maioria, medicamentos injetáveis. Algumas poucas drogas podem ser administradas por via oral.


A quimioterapia em cães e gatos causa os mesmos efeitos colaterais que no humano? Os animais, por exemplo, perdem os pêlos?
Os efeitos colaterais vistos nos cães e gatos são menos severos do que os vistos em pacientes humanos. Isto porque, em medicina, a cura é o principal objetivo do tratamento, enquanto que em veterinária, muitas vezes a qualidade de vida do paciente é mais importante do que a cura da doença. Para isso, utilizamos doses menores e protocolos menos agressivos.
Alopecia (queda de pêlos) em pacientes veterinários ocorre de forma localizada, e não generalizada como nos pacientes humanos, sendo que as raças que apresentam crescimento contínuo de pêlos (ex: poodle, cocker) são as mais afetadas.


Os efeitos colaterais inespecíficos da quimioterapia, mais importantes do que a alopecia, são: vômitos, anorexia, diarréia, perda de peso, alterações estas que podem ser controladas com medicação. Os efeitos colaterais considerados específicos dizem respeito à toxicidade de um determinado órgão pelo uso de certas drogas, como por exemplo: cardiotoxicidade consequente da utilização de doxorrubicina, e nefrotoxicidade pelo uso da cisplatina.


Em que casos podemos usar a crioterapia?
A crioterapia é o método pelo qual podemos causar a morte de células neoplásicas por meio de congelamento. Os principais tumores sensíveis a este tratamento são pequenas lesões cutâneas ou localizadas nas mucosas oral ou perianal, como papilomas (tumores cutâneos benignos), carcinomas basocelular e espinocelular, mastocitomas cutâneos (tumores originados de células mastocitárias) ou mesmo lesões remanescentes do tumor venéreo transmissível canino (TVT) após quimioterapia.


É importante salientar que o diagnóstico precoce é o desejado. Por razões óbvias, é muito mais fácil alcançar a cura em casos iniciais. Para isso, é importante que o clínico tenha consciência que os procedimentos de biópsia são importantes, mesmo que trate de pequenos nódulos, aparentemente benignos. As informações provenientes de um laudo histopatológico (biópsia), associadas às informações clínicas, são pontos importantes na determinação da conduta terapêutica, seja ela clínica, cirúrgica ou combinada.

Esperamos assim, poder esclarecer mais sobre a oncologia veterinária.

Abraço a todos,

Dr. Mário MAttiacci CRMV 18697 (PÓS GRADUADO EM ONCOLOGIA VETERINÁRIA)